quinta-feira, 22 de março de 2012

Síndrome de Down - 21 março

Síndrome de Down

Dia 21 de março – Dia Internacional da Síndrome de Down

Vera Lúcia Pereira de Souza*



O dia 21 de março é uma data muito importante: é celebrado o Dia Internacional da Síndrome de Down.

O dia 21 de março foi indicado pela associação "Down Syndrome International" para ser o Dia Internacional da Síndrome de Down em referência à falha genética que a provoca. Todas as pessoas têm 23 pares de cromossomos. Quem apresenta Down tem três cromossomos no par de número 21 (daí o motivo da data 21/03).

A Síndrome de Down é uma ocorrência genética natural e universal. Isso quer dizer que a síndrome não é decorrência do ato ou da negligência de mães ou pais, como muitos falam. E nem é uma enfermidade. Ela é ocasionada por uma falha na separação das células durante a concepção do bebê (ainda embrião). Só para se ter uma ideia, de cada 700 bebês que vem ao mundo, UM tem Síndrome de Down. Assim, qualquer mulher, independente da raça ou camada social pode ter um bebê Down. Até presentemente, a ciência ainda não encontrou as causas que geram essa alteração genética, logo, não há como evitar esse acontecimento.

Tem uma grande alteração na capacidade intelectual e no progresso do desenvolvimento das crianças com síndrome de Down. O desenvolvimento motor destas crianças é mais lento. Enquanto as crianças sem síndrome costumam andar por volta dos 12 a 14 meses de idade, as crianças com síndrome de Down, geralmente, começam a caminhar com 15 a 36 meses. O desenvolvimento da linguagem, igualmente, é bastante atrasado.

É importante frisar que um ambiente amoroso e estimulante, intervenção precoce e empenhos associados à educação irão continuamente influenciar positivamente o desenvolvimento da criança com síndrome de Down.

Algumas pessoas com Síndrome de Down têm apresentado progressos impressionantes e rompido muitos obstáculos. Em todo o planeta, e igualmente aqui no Brasil, existem pessoas com síndrome de Down estudando, trabalhando, habitando sozinhas, se casando e chegando à universidade. A melhor forma de combater o preconceito é por meio do conhecimento e da inclusão social de TODAS as pessoas, na família, na escola, no mercado de trabalho e na sociedade.

*Psicopedagoga, pedagoga, especialista em Profissionalização da Pessoa com Deficiência Intelectual.

Postar um comentário