domingo, 25 de agosto de 2013

IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO PDE/2009 NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA
 IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO NA ESCOLA

1.  DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1.1   Professora PDE: Vera Lúcia Pereira de Souza
1.2   Área PDE: Educação Especial
1.3   NRE: Assis Chateubriand
1.4   Professora Orientadora IES: Loraine Alcântara
1.5   IES Vinculada: UNIOESTE
1.6   Escola de Implementação: Escola de Educação Especial “Novo Amanhecer”
1.7   Público objeto da intervenção: Alunos com deficiência intelectual

2.  TEMA: Oficinas Pedagógicas

3.  TÍTULO: Educação Profissional para alunos com deficiência intelectual significativa

4.  ESTRATÉGIAS DE AÇÃO

O desenvolvimento do presente estudo terá ênfase na análise qualitativa, visto que esta possibilita a escolha de um problema, estudo e análise de referências selecionadas e a reflexão sobre as informações e dados coletados na realidade da escola, procurando assegurar a flexibilidade nas diferentes etapas propostas e, principalmente, confrontando a prática docente com os pressupostos teóricos que fundamentam o presente estudo.
Assim, pretende-se realizar o estudo dos pressupostos teóricos e promover a discussão com os professores que atuam nas Oficinas Pedagógicas da escola especial Novo Amanhecer sobre a sua prática docente, refletindo sobre as possibilidades e limites para alcançar uma efetiva inclusão das pessoas com deficiência intelectual significativa no processo produtivo e para a promoção de sua independência.

O presente projeto será desenvolvido em três etapas:

Primeira ação: será realizado um levantamento sobre a necessidade de um processo de formação contínua junto aos professores dos educando com deficiência intelectual significativa com o intuito de subsidiar o referido programa;

Segunda ação: desenvolver e implementar um programa de formação continuada, o qual será constituído pelo estudo da base teórica que fundamenta o presente projeto, pela análise dos aspectos fundamentais do Currículo Funcional e Natural, acrescidos com os dados da observação direta do trabalho das participantes;

Terceira ação: avaliar os resultados alcançados a curto e médio prazo, relacionados à prática pedagógica dos professores de educandos com deficiência intelectual significativa, integrantes do programa de formação continuada.

Instrumento:
Para viabilizar a transcrição, o registro e a descrição das informações obtidas por meio das entrevistas com os professores e da coleta de dados referentes às situações de ensino entre professores e educandos, serão utilizadas fichas, as quais viabilizarão elencar  as competências básicas apresentadas pelas professoras ao trabalharem com educando com deficiência intelectual significativa.  Além daquelas, serão também utilizadas fichas para registrar os atendimentos individualizados e verificar a apropriação do educando referente às habilidades essenciais, sendo que esse instrumento será denominado Fichas de Trabalho (Anexos 1, 2 e 3).

Local:
O presente Projeto terá como local uma Escola Especial, de natureza privada e filantrópica da cidade Nova Aurora. Especificamente, o Projeto de Aula será realizado no Setor da Oficina Pedagógica.
A Escola Especial atende atualmente 104 alunos com deficiência intelectual, múltiplas deficiências, crianças com diversas síndromes que comprometem o desenvolvimento, crianças com distúrbios de aprendizagens, condutas típicas que já passaram por outras escolas e não se adaptaram. O professor e a direção, em conjunto com as equipes técnicas e pedagógicas, têm um papel fundamental, pois são esses profissionais os principais responsáveis pelo processo ensino – aprendizagem.
A escola oferece os seguintes programas:
Educação Infantil – 00 a 03 anos e 04 a 06 anos;
Ensino Fundamental - 07 a 16 anos e
Educação Profissional - acima de 16 anos.
A Educação Profissional oferece as seguintes Oficinas: jardinagem e horticultura, reciclagem e papel e cestaria, Oficina de Culinária – cozinha, bordados e crochê.

Procedimento:
Serão desenvolvidas cinco etapas, conforme exposto no quadro abaixo:

Quadro 1.  Delineamento que será utilizado no Plano de Aula.
1ª  ETAPA PRELIMINAR
Identificação das necessidades de formação de professores de educando com deficiência intelectual significativa
2ª. ETAPA
Avaliação Inicial das competências das professoras
3ª.ETAPA
Desenvolvimento do Programa de Formação Continuada
4ª. ETAPA
Implementação do Programa de Formação Continuada
5ª. ETAPA
Avaliação Final das competências das professoras e
Avaliação do Programa de Formação Continuada
Na 1ª Etapa Preliminar realizar-se-á um estudo descritivo, tomando como base o relato dos profissionais do serviço sobre a elaboração do planejamento de ensino utilizado e a análise documental do planejamento de ensino elaborado pelos professores, tendo como objetivo conhecer o cotidiano escolar e caracterizar o ensino e ainda identificar necessidades de formação.
Após esse estudo preliminar será realizada a 2ª Etapa, que se constituiu na avaliação das competências das professoras para ensinarem seus educando. Essa avaliação será efetuada tomando como base 21 horas de vídeo-gravações de situações reais de ensino, em sessões espaçadas num período de dois meses. Essas sessões de observações serão efetuadas com as professoras participantes. Os dados obtidos serão registrados nas Fichas de Trabalho.
A partir dos resultados obtidos com a descrição e análise do serviço, que indicaram problemas prioritários na questão curricular e na elaboração dos planejamentos educacionais individualizados, desenvolverá na 3ª Etapa o programa de formação com ênfase no currículo funcional e no planejamento de ensino.
O programa de formação será composto por sete unidades de conteúdos que tratarão:
1) Abordagem Ecológica, Currículo Funcional e Natural e Planejamento de Ensino; 2) Escalas de Desenvolvimento Intelectual;
3) Registros de Comportamentos e Habilidades;
4) Entrevistas com Pais;
5) Materiais e Adaptações;
6) Referenciais Curriculares para Educação profissional e Adaptações Curriculares; 7) Planejamento de Ensino Individualizado.
A 4ª Etapa trata da implementação do referido Projeto. Este será implementado em encontros quinzenais na própria Escola Especial envolvendo atividades teóricas e práticas. As atividades práticas serão realizadas nas salas de aula das professoras com a participação da pesquisadora em todas as atividades. O programa terá duração total de 80 horas.
Na 5ª Etapa serão coletadas novas amostras de situações reais de ensino por meio de filmagens. As sessões de filmagens serão realizadas em dois momentos (dois e seis meses após o programa) para fins de avaliação da aquisição de habilidades e da avaliação da manutenção dessas habilidades. Ainda serão coletados relatos dos professores, em situações de entrevistas individualizadas.


Avaliação
A avaliação será contínua afim de que se possa manter a consistência do estudo, bem como o entrosamento dos integrantes do grupo. Para o bom andamento do projeto, em todas as etapas serão observados os resultados e, quando identificados pontos que mereçam readequação, as ações serão discutidas pelos integrantes do grupo e professor PDE, procedendo alterações sempre que necessárias.
O desempenho do professor em todo procedimento educacional institucional é fundamental. Sua capacidade profissional tem um sentido político que é importante enfatizar. Mello (1985, p.43) assim expõe as características desta competência:

Em primeiro lugar, o domínio adequado do saber escolar a ser transmitido, juntamente com a habilidade de organizar e transmitir esse saber de modo a garantir que ele seja efetivamente apropriado pelo aluno. Em segundo lugar, uma visão relativamente integrada e articulada dos aspectos relevantes de sua própria prática, ou seja, um entendimento das múltiplas relações entre os vários aspectos da escola, desde a organização dos períodos de aula, passando por critérios de matrícula e agrupamento de classes, até o currículo e os métodos de ensino. Em terceiro lugar, uma compreensão mais ampla das relações entre a escola e a sociedade, que passaria necessariamente pela questão de suas condições de trabalho e remuneração.

Com base neste Projeto, será produzido um programa de formação que terá como eixo norteador o Planejamento de Ensino Individualizado e o Currículo Funcional.
Essa construção percorrerá todos os seus aspectos: função, elaboração e utilização. Para tanto, serão trabalhados temas que servirão de subsídio para a tarefa de construção que se constituirão objetivos intermediários, como: adaptação de escalas desenvolvimento intelectual em inventário comportamental, construção de folha de registro para avaliação inicial e de aquisição e manutenção do desempenho dos educando, seleção e adaptação de materiais e utilização das Adaptações Curriculares e Referenciais Nacionais para Educação Profissional.
A implementação levará em consideração os programas de formação, que devem propiciar oportunidades de discussão e reflexão sobre a realidade nas quais as professoras atuam, como forma de subsidiar o desenvolvimento das atividades destes profissionais.
Cabe ressaltar ainda que, no presente Projeto o conteúdo será voltado exclusivamente para a questão curricular e do planejamento do ensino individualizado. Portanto, não haverá tentativa de ensinar ou treinar diretamente as competências dos professores. Elas serão apenas avaliadas antes e depois do Projeto.
Dentre as obrigatoriedades estabelecidas pelo programa ao professor PDE, a preparação da produção didático-pedagógica conceitua-se como estratégia de suma importância do programa, uma vez que contém dentro de suas especificidades o objetivo de cooperar para o progresso do trabalho docente.
No caso particular deste trabalho, a produção materializar-se-á na caracterização de material intitulado Caderno Pedagógico. Este material contemplará várias unidades, com abordagem centrada em temas das Oficinas Pedagógicas, contendo textos de fundamentação teórica com as respectivas sugestões de atividades a serem desenvolvidas.
Uma das atividades mais significativas desenvolvidas pelo professor PDE ao longo do Programa é a implementação na escola do Projeto de Intervenção Pedagógica, elaborado sob a orientação da IES, durante os dois primeiros períodos do Programa. O Projeto visa contemplar o desenvolvimento de estratégias pedagógicas para atender as dificuldades diagnosticadas pelo professor em seu espaço específico de trabalho – a escola.
Os Grupos de Apoio à Implementação dos Projetos PDE na Escola terão como objetivos:
a) Criar condições concretas para que o professor PDE e os professores participantes dos grupos possam discutir as bases teórico-metodológicas que orientam o Projeto de Intervenção Pedagógica do professor PDE, docente do grupo.
b) Analisar, a partir dos dados diagnosticados, a pertinência e adequação das atividades propostas no Projeto de Intervenção Pedagógica, auxiliando no acompanhamento, desenvolvimento e programação das atividades.
c) Realizar avaliação das atividades realizadas ao longo do processo de implementação do Projeto, apresentando ao final, sugestões para que o professor incorpore em seu artigo final de conclusão do PDE .
Poderão participar do Grupo de Implementação do Projeto PDE na Escola professores QPM, QUP, PSS, profissionais técnico administrativo e de apoio escolar, QPPE e QG lotados e/ou prestando serviço no estabelecimento de ensino do professor PDE docente do grupo ou de escolas de seu município de atuação, que esteja em pleno gozo de suas atividades funcionais no período de duração do grupo, com um limite máximo de 15 participantes e duração de 32 horas, sendo subdivididas em 08 encontros de 04 horas e será ofertado em horários que não venha a confrontar a carga horária de trabalho.
A produção final ocorrerá no 3º e 4º períodos do Programa, será elaborado o Artigo Final, no qual serão sistematizadas as experiências na implementação do Projeto, evidenciando eventuais dificuldades encontradas, defendendo e fundamentando as idéias, aprofundando temáticas específicas e sugerindo outras alternativas possíveis visando o aperfeiçoamento.

REFERÊNCIAS
BRASIL. Ministério da Educação. Decreto Federal nº 5296 de 02 de dezembro de 2004. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Brasília, 2004.

CARVALHO, A. R. de: ORSO, P. J. As pessoas com deficiência e a lógica da organização do trabalho na sociedade capitalista. In: Programa Institucional de ações relativas às pessoas com necessidades especiais - PEE (org). A pessoa com deficiência na sociedade contemporânea: problematizando o debate. Cascavel: EDUNIOESTE, 2006. p. 155 – 179.

CARVALHO, A. R. de: ROCHA, J. V. da: SILVA, V. L. R. R. da. Pessoa com deficiência na história: modelos de tratamento e compreensão. In: Programa Institucional de ações relativas às pessoas com necessidades especiais - PEE (org). Pessoa com deficiência: aspectos teóricos e práticos. Cascavel: EDUNIOESTE, 2006. p. 15 – 56.

CARVALHO, J. R: TURECK, L. T. Z. Algumas reflexões sobre a inclusão escolar de alunos com deficiência. In: Programa Institucional de ações relativas às pessoas com necessidades especiais - PEE (org). A pessoa com deficiência na sociedade contemporânea: problematizando o debate. Cascavel: EDUNIOESTE, 2006. p. 63 – 89.

CARVALHO, R. E. A nova LDB e a Educação Especial. Rio de Janeiro, WVA, 1997.

CORREIA, L. de M. Alunos com necessidades educativas especiais nas classes regulares. Editora Porto, Porto – Portugal, 1999. (Coleção Educação Especial V. 1)

DESROCHE, H. Entreprendre d’apprendre: d’ une autobiographie raisonnée aux projets d’ une  recherche-action. Paris: Editions Ouvrières, 1990.

FERREIRA, D. Manual de sociologia: Dos clássicos à sociedade da Informação. SP: Atlas S.A, 2001.

FERREIRO, E. Reflexões sobre Alfabetização. São Paulo: Cortez, 1992.

FINGER, J. A. Terapia ocupacional. São Paulo: Sarvier, 1986.

FREIRE, P. A importância do ato de ler: em três artigos que se complementam. 33. ed. São Paulo: Cortez, 1997.

GÓES, M. C. R. (Org). A linguagem e o outro no espaço escolar: Vygotsky e a construção do conhecimento. São Paulo: Papirus, 1993.

GURGEL, M. A. Trabalho para pessoas portadoras de deficiência, instrumento de pleno exercício da cidadania. In. OLIVEIRA, M. H. A. (Org.) Trabalho e deficiência mental: perspectivas atuais. Brasília, DF: Dupligráfica Editora, 2003.

KUENZER, A. Competência como práxis: os dilemas da relação entre teoria e prática na educação dos trabalhadores. Boletim Técnico do SENAC, Rio de Janeiro, v.29, n.1, jan./abr. 2003.

KUENZER, A.; GRABOWSKI, G.. Educação Profissional: desafios para a construção de um projeto para os que vivem do trabalho. Perspectiva, América do Sul, 24 9 06 2009.

MANJÓN, D. G.; GIL, J. R. & GARRIDO, A. A. Adaptaciones curriculares – guia para su elaboración. Granada- Espanha: Alijibe, 1995. Colección: Educación para la
diversidad.

MANTOAN, M. T. E. A construção da inteligência nos deficientes mentais: um desafio, uma proposta. Revista Brasileira de Educação Especial, 1992(1): 107-114.

MELLO, G. N. Magistério de 1º grau: da competência técnica ao compromisso político. São Paulo: Cortez, 1985.

MENDONÇA, R. de C. T. Breves comentários sobre os dispositivos legais que subsidiam a política de inclusão das pessoas com deficiência no mercado de trabalho. Rede SACI, 2007.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de educação especial. Brasília: MEC, 1994.

NERI, M. Retratos da deficiência no Brasil (PPD). Rio de Janeiro: FGV / IBRE, CPS, 2003.

OLIVEIRA, P. S. Introdução à sociologia. 24º ed. São Paulo: Ática, 2000

SACRISTAN, G. Compreender e Transformar o ensino. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

SASSAKI, R. K. Emprego apoiado. São Paulo: PRODEF/FABES/PMSP, 1993. apost.

SAVIANI, Dermeval. Escola e Democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre educação e política. São Paulo: Cortez Autores Associados, 1985.

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. São Paulo: Cortez, 1991.

SMOLKA, A. L. A criança na fase inicial da escrita: a alfabetização como processo discursivo. São Paulo: Cortez, 1996.

SPACKMAN, W. Terapia ocupacional. 8. ed. Espanha: Editorial Médica Panamericana, 1998.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. 7. ed. São Paulo: Cortez, 1996.

TRIVINOS, A. N. S. Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1992.

TROMBLY, C. A. Terapia ocupacional para disfunção física. 2ª ed. São Paulo: Santos, 1989, 514 p.

UNIOESTE. Pessoas com Deficiência: Aspectos Teóricos e Práticos Org. Programa institucional de ações Relativas à Pessoa com Necessidades Especiais. PEE. Cascavel: Edunioeste, 2006.

VIGOTSKY, L.S. El nino ciego. In obras completas. Tomo V. Habana: Cuba, 1989.


Postar um comentário