sábado, 25 de fevereiro de 2012

Mensagem: A Rosa e o Sapo

Mensagem: A Rosa e o Sapo

Algumas pessoas, infelizmente, agem como se as outras não existissem. Incrível isso. 

É só observar a saída do metrô, por exemplo. Algumas aguardam na porta, antes mesmo das outras saírem, elas empurram e entram. Essa cena repete-se diariamente em cada parada do metrô. 
Aprendi nas aulas de física que um corpo não pode ocupar dois lugares ao mesmo tempo. É impossível! Aprendi, ainda, que a educação é a ferramenta essencial no convívio humano. Esse exemplo é visto, às vezes, na saída do elevador. 

É necessário que as pessoas desçam para que as outras entrem. Muito simples, mas uma lógica também esquecida. A impressão que se tem é que algumas pessoas vivem realmente como se as outras não existissem. É como se o mundo delas fossem elas mesmas. Acontece que cada um tem sua contribuição, assim como seu espaço físico não podemos esquecer que todos possuem suas características, suas funções, seus detalhes que, quanto mais se convive, mais se descobre, mais se ganha “o espaço”. O importante é que todos esses espaços sejam respeitados.
 
O conto da “Rosa e o sapo” exemplifica essas situações de forma especial, pois existia em um jardim uma rosa muito bonita, que se sentia envaidecida em saber que era a rosa mais linda naquele jardim, mas começou a perceber que as pessoas só a observavam de longe e acabou se dando conta de que, ao seu lado dela sempre havia um sapo grande, feio e asqueroso e esta era a razão das pessoas não se aproximarem. Indignada com a descoberta, ordenou que o sapo saísse de perto dela imediatamente. 

O sapo, muito humildemente, foi embora, se afastou de vez. Algum tempo depois, o sapo passou próximo de onde estava a rosa e se surpreendeu ao vê-la murcha e sem pétalas. Penalizado, perguntou a ela o que havia acontecido. Ela, muito envergonhada, explicou que desde que o sapo foi embora, as formigas se aproximaram e a comeram dia após dia, por isso estava acabada, sem vida e sem sua beleza tão adorada pelos outros. 

O sapo explicou que, quando estava por perto, ele comia todas as formigas que se aproximavam, por isso ela conseguia ser a rosa mais bonita do Jardim…
 
O ser humano é social por natureza. Foi criado para viver com seu semelhante e a mágica da vida é justamente viver e conviver com essas diferenças. Acontece que dentro desse mundo pequenino que alguns vivem, eles são o centro, são a beleza suprema e a excelência propriamente dita. 

Muitas vezes, não valorizamos os outros, por acharmos que somos superiores, mais bonitos, de mais valor e achamos que os outros não nos servem para nada, muito pelo contrário, a cada espaço, a cada olhar, a cada gesto existe uma forma de expressão e não podemos esquecer da linguagem mundial: educação. 

Deus não fez ninguém para ’sobrar’ neste mundo. 

De repente, aquele que você pensa estar fazendo o mau, esteja salvando você das formigas.

Prof. William Sanches
Artigo Publicado no Jornal Impacto News
Fonte: http://profwilliamsanches.blog.terra.com.br/2008/07/03/a-rosa-e-o-sapo/
Postar um comentário