domingo, 12 de fevereiro de 2012

O Trânsito na vida do homem

O Trânsito na vida do homem

Arlete Cipolini et alli
Cientista social e mestre em educação

A menção à palavra trânsito nos remete, imediatamente, aos séculos XX e XXI e seus problemas de congestionamentos nos grandes centros urbanos. No entanto, trânsito e congestionamento não são sinônimos. A palavra trânsito vem do latim transire que significa passar de um lugar para o outro, e foi usada pela primeira vez em 1553, no sentido de circulação de pessoas e movimento de veículos.* Vemos assim, que esse não é um tema exclusivo na contemporaneidade, é mais antigo do que supomos. Vamos ver o começo dessa história.
A fragilidade do homem em relação aos outros animais, associada à sua capacidade de transformar a natureza e de criar cultura, favoreceram o desenvolvimento técnico desde a pré-história até os dias de hoje. A necessidade de ir de um lugar a outro e de transportar coisas fez com que o homem inventasse equipamentos que tornassem sua vida mais fácil.
A mais simples e antiga forma do homem se locomover é o próprio ato de caminhar, tão propagado atualmente para boa saúde e qualidade de vida, ou seja, usando seu corpo como força motriz, percorria longas distâncias carregando nos ombros ou arrastando bens e artefatos. Assim, as primeiras invenções foram para proteger os pés.
A primeira tentativa de substituição da força humana pelo aproveitamento das forças da natureza foi utilização da energia animal e dos ventos. Posteriormente, a invenção do arado de bois provocou uma revolução na agricultura, e a invenção da roda, cerca de 3000 a.C., primeiro na Mesopotâmia na Síria e no Vale do Indo, e mais tarde no Egito, provocou uma revolução no transporte de cargas. Segundo Aquino:
A introdução dos veículos de rodas, puxados por bois ou outros animais, desenvolveu as comunicações e o transporte de mercadorias, o que teve grande significado na Revolução Urbana. O burro e o jumento, já domesticados no Egito e na Mesopotâmia, por volta de 3000 a. C., eram os meios de transporte terrestre mais comuns. Já o cavalo introduzido no Egito em 1650 a. C., pelos hicsos, juntamente com a roda, era exclusivamente animal de tiro, atrelado a carros de combate. Quanto ao transporte marítimo, os homens aprenderam a construir barcos de tabuas e a usar velas. (Aquino, 1980: 77)
Com os primeiros veículos surge a necessidade de adequar os caminhos por onde eles transitavam. Desde a Antiguidade Grego-romana, as questões relativas ao trânsito estão presentes no debate do cotidiano das pessoas: construção de um sistema viário, disputa pelo espaço, utilização do solo, como evitar acidentes, são algumas delas.
Na idade média, quando o comércio perde a importância, muitos caminhos são abandonados e os animais são usados para o transporte de cargas e pessoas. Com a revitalização do comércio e das cidades, a partir do século XI e XII, o movimento das estradas é retomado, novos veículos e novas formas de pavimentação entraram na pauta das demandas, pontes, estradas e túneis foram construídos.
Esse crescimento não parou mais, pelo contrário, com a invenção do motor a vapor, no século XVIII e do motor a combustão, no século XIX, a história dos veículos foi impulsionada e evoluiu para a situação que vivemos desde o século passado.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AQUINO, Rubim Santos Leão de, et alli, História das sociedades: das comunicações primitivas às sociedades medievais, Rio de Janeiro: Ao livro técnico, 1980.

http://www.transitocomvida.ufrj.br/HistoriaDoTransitoNoMundo.asp , consultado dia 16/06/2010.
Postar um comentário