domingo, 9 de dezembro de 2012

PROJETO SERVIÇO SOCIAL - ORIENTANDO PARA O FUTURO EDUCAÇÃO PREVENTIVA AO USO INDEVIDO DE DROGAS NA ESCOLA



 
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTIS
UNITINS

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO
CURSO DE SERVIÇO SOCIAL
PROJETO DE INTERVENÇÃO






ORIENTANDO PARA O FUTURO
EDUCAÇÃO PREVENTIVA AO USO INDEVIDO DE
DROGAS NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL
“NOVO AMANHECER”











NOVA AURORA – PR.
AGOSTO/2010

 
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTIS
UNITINS

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO
CURSO DE SERVIÇO SOCIAL
PROJETO DE INTERVENÇÃO




ORIENTANDO PARA O FUTURO
EDUCAÇÃO PREVENTIVA AO USO INDEVIDO DE
DROGAS NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL
“NOVO AMANHECER”




VERA LÚCIA PEREIRA DE SOUZA
Professora Avaliadora: EZUNILDES AQUINO RESPLANDES LIMA







NOVA AURORA – PR.
AGOSTO/2010

1 TÍTULO DO PROJETO
EDUCAÇÃO PREVENTIVA AO USO INDEVIDO DE DROGAS NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL “NOVO AMANHECER”


2 APRESENTAÇÃO

O uso indevido de drogas é um tema que preocupa pais, educadores, profissionais de saúde e a sociedade em geral.
Uma das dificuldades deparadas para enfrentar o problema é a falta de conhecimentos seguros sobre o tema. Muitas vezes, as informações são divulgadas fora de um contexto, sem embasamento na realidade ou de forma distorcida, colaborando para uma visão preconceituosa.
O projeto Orientando para o Futuro: Educação Preventiva ao Uso Indevido de Drogas na Escola visa a atingir, alunos, pais, professores e profissionais da Escola de Educação Especial “Novo Amanhecer” do município de Nova Aurora – PR., e tem caráter interdisciplinar. Pretende-se, com esta proposta, que é uma exigência da Disciplina de Estágio Supervisionado I, mobilizar nos alunos, pais e profissionais da educação atitudes e valores positivos, capacitando-os para que assumam com a necessária competência o seu relevante papel na prevenção ao uso indevido de drogas na escola. A ênfase dessa abordagem se dá no sentido de orientá-los para que sejam capazes de desencadear em seu desenvolvimento do potencial sócio afetivo em direção a um estilo saudável de vida em que o uso de drogas não desperte sequer interesse, ou então um interesse ou uma curiosidade que não prejudiquem nem a pessoa e nem a sociedade.
A dependência de drogas necessita ser abordada enquanto questão complexa (Xavier da Silveira, 1996) e transdisciplinar (Sudbrack, 2000) que demanda o trabalho de equipes habilitadas e disponíveis para uma integração das competências e ao mesmo tempo dos desafios colocados no exercício clínico.
Entende-se que o acesso à informação sobre as drogas deve ser garantido como direito da população e prioridade nas políticas públicas. Precisa-se distinguir que é um direito de cidadania ter acesso à informação sobre drogas, bem como obter um lugar de atendimento não repressor e de cuidado pessoal com a saúde.


3 JUSTIFICATIVA

O enfoco fundamental do trabalho da escola deve ser a reflexão, colaborando para a visão crítica das situações e dos problemas e para o desenvolvimento da autonomia e da competência de escolha dos adolescentes. 
O trabalho de prevenção na escola não nasce, deste modo, de uma necessidade localizada, não pretende reprimir os adolescentes, nem ensiná-los a “dizer não às drogas” ou fazer terrorismo sobre uma “tragédia urgente”. Também, não se trata de acumular mais uma tarefa no já sobrecarregado cotidiano do professor. A prevenção ao abuso de drogas é uma tarefa integrante da sua função educacional, fazendo parte do seu projeto pedagógico. Quando compartilhada pelos profissionais de serviço social e educadores, pode ser percebida num argumento de construção da responsabilidade social do grupo de alunos.
As atuações preventivas na escola podem ser guiadas por diferentes modelos, que não são excludentes entre si, constituem guias de ação e sua combinação e adequação são altamente desejáveis para melhor servir à realidade local.
Cabe especificamente à escola participar do trabalho de prevenção primária, ou seja, antecipar-se à experimentação, por meio de atuações com o objetivo de evitar problemas decorrentes do uso de risco. (SUDBRACK, 2000).
A proposta deste projeto segue o modelo da educação para a saúde, baseado na prevenção primária e na teoria sistêmica e no paradigma do pensamento complexo, os quais movimentam redes de proteção, em contraposição ao modelo do medo e à pedagogia do terror, que origina paralisia e ineficácia.
Fazer prevenção do uso indevido de drogas nesse ponto de vista remete a participar de muitas frentes de trabalho. Versa-se de ações em rede que instrumentalizam para a abordagem das questões mais estruturais de diminuição da demanda, construindo estratégias de enfrentamento para minimizar díspares dimensões conectadas ao fenômeno das drogas.
Na realidade, a proposta vai muito além de oferecer tratamento para dependentes de drogas: trata-se da preservação da qualidade de vida, proporcionando ao jovem a possibilidade de ser receptivo a tudo o que o mundo proporciona de bom e prazeroso, ser capaz de vencer as influências negativas da massificação, do consumismo, da corrupção e da violência. (SUDBRACK, 2000).
Jaffe (1999) recomenda que o abuso seja um padrão mal adaptativo do uso de substâncias, manifestado por implicações adversas recorrentes e expressivas relacionadas ao uso frequente. Já a dependência pode ser denominada como um agrupamento de indícios cognitivos, comportamentais e fisiológicos indicando que a pessoa emprega a substância apesar de problemas expressivos relacionados a ela.
Silveira Filho (1996) salienta, também, que o abuso e a dependência de drogas não acontecem por acaso. Tal fato é originado devido a fatores que remontam à infância do indivíduo e, somados a isso, têm aqueles de caráter econômico, histórico, social, cultural, familiar e psicológico. Deste modo, para ser mais bem compreendido, deve-se levar em consideração três elementos, ou seja, a substância psicoativa, a singularidade biológica e psicológica e o contexto sociocultural. A ação preventiva, vista por esse prisma, deve atentar para esta tríade para não avigorar o mito de que a droga é em si mesma a causa do problema.
O presente Projeto será destinado aos Professores, comunidade escolar, pais e alunos da Escola Especial “Novo Amanhecer” do Município de Nova Aurora – PR.


4 OBJETIVOS

4.1GERAL

Levar informações, aos alunos especiais, pais e comunidade escolar da Escola de Educação Especial “Novo Amanhecer” – APAE de Nova Aurora, PR., sobre o mecanismo de ação das drogas e suas conseqüências individuais e sociais, empregando a prevenção primária, onde a mesma tem o objetivo de extinguir ou reduzir os fatores sociais, culturais e ambientais que favoreçam o uso indevido de drogas. Oferecendo subsídios para ajudar os pais, a comunidade escolar, os alunos especiais sobre a realidade do uso indevido de drogas.

4.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

- Levar parte do conhecimento científico dos profissionais da Escola Especial “Novo Amanhecer” para a comunidade escolar, alunos especiais e pais;
- Conscientizar os adolescentes/jovens especiais de que a qualidade de vida, o lazer e a participação na comunidade são formas de evitar a procura pela droga;
- Descrever os prejuízos ocasionados pelas drogas ao organismo;
- Averiguar quais são as principais dúvidas que os jovens especiais dessa idade apresentam em relação às drogas.


5 PÚBLICO ALVO

O projeto inicia-se no segundo semestre de 2010, com pais, professores, profissionais da saúde, assistente social, três estagiárias de serviço social e com alunos adolescentes com deficiência intelectual, múltipla deficiência e TGD (transtornos globais do desenvolvimento) matriculados na Escola de Educação Especial “Novo Amanhecer” – APAE de Nova Aurora, localizada na Avenida Gonçalves Dias, 354, no Município de Nova Aurora – Paraná.

6 METAS A ATINGIR

O foco do presente Projeto serão 45 (quarenta e cindo) alunos com deficiência intelectual e/ou múltipla deficiência e/ou TGD, professores e familiares. 
O presente Projeto trabalhará na prevenção primária que segundo a OMS (1992) “é o conjunto de ações que procuram evitar a ocorrência de novos casos de uso abusivo de psicotrópicos ou até mesmo um primeiro uso”.
A prevenção primária será realizada na divulgação de informações, destacando-se o modelo na informação científica não tendenciosa (informação geral e isenta sobre as drogas).
A meta da prevenção primaria é "resguardar" aos alunos especiais e criar ambientes sociais e físicos que sejam positivos para erradicar o problema antes que ocorra.
Deste modo, se propõe uma estratégia de intervenção dupla: tentar transformações nos alunos especiais e nos seus contextos (família, escola, bairro); tentar modificar os fatores ocasionadores que perturbam o pleno desenvolvimento psicossocial (fatores econômicos, culturais, educativos, sanitários).


7 METODOLOGIA

O projeto será realizado por meio de quatro encontros mensais sempre com uma mesma turma de alunos, no período matutino (08h00 às 12h00). Cada encontro será dividido de dois momentos. Primeiramente uma palestra, sendo que no transcorrer da mesma será realizadas dinâmicas de grupos objetivando maior integração e consciência corporal. A Segunda parte será realizada através de atividades de técnicas de grupo como roda de música, teatro, dança e finalizada com uma sessão de relaxamento. As atividades recreativas visão uma maior consistência do grupo e melhor absorção dos temas abordados, como também buscam elevar a conscientização dos alunos de que há coisas boas que são encontradas na convivência em grupo.
As palestras proferidas serão sobre temas pautados à informação e prevenção às drogas, com duração aproximada de uma hora. Ressalta que um fator diferencial nas mesmas será o modo como serão realizadas. No transcorrer das palestras serão realizadas dinâmicas de integração entre alunos e a equipe do projeto, brincadeiras que visam uma melhor consciência corporal.
As dinâmicas de grupo, realizadas no segundo momento, terão como objetivo principal a socialização dos alunos para que estes possam no futuro construir e integrar uma sociedade mais justa e plena de possibilidades para todos, instituindo ambientes de convivência sadios, onde seja admissível vivenciar formas criativas, democráticas e solidárias de resolução de problemas, respeitando-se a individualidade sem que, no entanto, possa intervir na construção coletiva de qualidade de vida social.
O relaxamento avaliado como o motor fundamental para a consciência corporal por melhorar a comunicação com o corpo físico concebe deste modo, uma ponte para uma boa comunicação mental-emocional-espiritual.
De forma mais detalhada, no primeiro encontro será feita uma apresentação dos integrantes do grupo, dos objetivos e propostas do nosso projeto e a forma como será feita a interação com os alunos. Pediremos de uma forma inusitada que cada um se apresente dizendo nome, idade, procedência e o estado de espírito em que se encontra (feliz, apaixonado, triste, sonolento...). Em seguida, a música, interpretada pelos Titãs, chamada Flores, de autoria de Tony Bellotto, Sérgio Britto, Charles Gavin e Paulo Miklos, pertencente ao disco “Ô blesq blom” lançado em 1989 será tocada e ensinada aos alunos por um dos membros da equipe. O esclarecimento do por que da música virá logo depois, relacionando o sentido das Flores com as Drogas. No tema da palestra deste primeiro encontro, será abordada uma iniciação sobre drogas descrevendo seu histórico, classificação, consequências e danos relacionados de uma forma geral.
No segundo encontro, discutirá sobre as drogas legais, mais nomeadamente sobre o álcool e o cigarro, abordando subsídios sobre suas substâncias constituintes e suas consequências. Quanto ao álcool, será explicado que não só o alcoolismo é prejudicial, mas sim que basta extrapolar na insensatez para danificar a própria vida e a de outros. Já quanto ao cigarro será como uma droga silenciosa que vai operando com o transcorrer dos anos.
O terceiro encontro visa uma maior explicação sobre as drogas ilegais mais utilizadas e suas aplicações, com proeminência para maconha, cocaína e seus derivados, também discorrendo sobre suas implicações e consequências para a saúde, bem como seus riscos de dependência.
Concluindo, no quarto encontro será sobre as formas de terapêutica abordando sobre os princípios adotados pelos grupos de Alcoólicos Anônimos, Narcóticos Anônimos e nas Fazendas de Recuperação. Neste encontro ao mesmo tempo falaremos sobre as implicações sociais da utilização de drogas abrindo espaço para declarações de espontâneas. Assim, no segundo semestre de 2010, os alunos especiais da Escola Especial “Novo Amanhecer” farão exposições sob a forma de teatro, demonstrando não só o que estudaram, mas também enriquecendo com a realidade vivida dentro da própria comunidade.
No final de cada encontro serão aplicados questionários abertos de aproveitamento como forma de avaliação. Nesse questionário os alunos mencionarão o que mais gostaram o que não gostaram e sugestões para os próximos encontros, respondendo as seguintes demandas:
Que bom? – delibera o que os alunos acharam do encontro do dia;
Que pena? – definirá o que não gostaram no encontro do dia;
Que tal? – definirá o que os alunos gostariam de alterar para os próximos encontros.
No quarto e derradeiro encontro serão feitas às mesmas perguntas, entretanto além de analisar o encontro do dia, será avaliado ao mesmo tempo todo o projeto.
Além do mais, a equipe do projeto fará uma avaliação de como os alunos e os pais se portam no proceder dos encontros, quanto à participação, interesse e aprendizado demonstrado.


8 RECURSOS E PARCERIAS

8.1HUMANOS

Assistente Social, Psicóloga, Terapeuta Ocupacional, Fonoaudióloga, três Estudantes de Serviço Social, Fisioterapeuta, Alunos com deficiência intelectual e múltipla deficiência e/ou com TGD, professores, pais e voluntários.

8.2 MATERIAIS

De consumo: papeis, canetas, CD, lápis de cor, giz.
Permanentes: sala de aula, TV, DVD, mesas, cadeira, computador, telefone, máquina fotográfica.
Financeiro: Todos os materiais de consumo e permanentes serão utilizados da Escola, pois, a mesma já possui tais materiais e espaço físico.

8.3 ORÇAMENTO

Os custos serão indiretos, onde os mesmos já serão previstos nos orçamentos geral da Escola onde será implementado o presente Projeto, sendo que os salários dos professores e profissionais da saúde envolvidos no mesmo, serão pagos pela Instituição, pois os mesmos são funcionários da entidade.


9 CRONOGRAMA DAS ATIVIDADES DE EXECUÇÃO DO PROJETO

ATIVIDADES
JUN
JUL
AGO
SET
OUT
NOV
DEZ


01

- Revisão do Projeto e Reunião com Equipe do Projeto
- Preparação para início das Atividades do Projeto (revisão de todo material e verificação do espaço físico que será utilizado no Projeto)


X

X

X

X




02

1º Encontro:
- Com o Público Alvo
- Apresentação da Equipe do Projeto
- Palestra e Dinâmicas




X





03

2º Encontro:
- Palestra / Discussão sobre drogas legais
- Dinâmicas





X




04

3º Encontro:
- Palestra / Informação e explicações sobre as drogas ilegais
- Dinâmicas






X



05

4º Encontro:
- Apresentação, através de Palestra a forma terapêutica dos Alcoólicos Anônimos e Narcóticos Anônimos.
- Dinâmicas







X


06

Avaliação:
- Equipe do Projeto fará Avaliação sobre os Encontros / Palestras com o Público / Alvo
- Fechamento do Projeto e exposição das considerações finais do Projeto, onde serão apresentados os resultados para Equipe do Projeto e o Público Alvo.








X


10 AVALIAÇÃO

A prevenção primária, que é o foco deste Projeto, quer evitar ou retardar a experimentação do uso de drogas. Assim, faz referência ao trabalho que é feito junto aos alunos que ainda não provaram, ou jovens que estão na idade em que costumeiramente se inicia o uso.
Pretende-se quantificar o número de pessoas que o Projeto atingiu e, o número de atividades que cada aluno participou. A partir destas informações, averígua-se se o Projeto alcançou toda a população inicialmente planejada. Para esta avaliação será utilizada um instrumento de registro para que posteriormente cada atividade cumprida durante o Projeto, seja analisada.
O conhecimento acumulado da rede de segurança que a escola pode vir a proporcionar serve como prevenção primária e extrapola os muros da instituição e da simples educação. Esses elementos passam a ser fundamentais na formação de sujeitos conscientes e ativos positivamente dentro da sociedade.










REFERÊNCIAS

JAFFE, J. H. Transtornos relacionados a substâncias. In: KAPLAN, H. I.; SADOCK, B. J. (Orgs). Tratado de Psiquiatria. Tradução Andréa Callefi et al. 6 ed. Porto Alegre, vol. 1: Artes Médicas, 1999.

OMS - Organização Mundial da Saúde 1992. Reagindo aos Problemas das Drogas e do Álcool na Comunidade, São Paulo.

SILVEIRA FILHO, D. X. Dependências: de que estamos falando afinal? In: SILVEIRA FILHO, D. X.; GORGULHO, M. (orgs.). Dependência: compreensão e assistência às toxicomanias. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1996. p. 1-13.

SUDBRACK, M. F. O. Abordagem Comunitária: uma nova forma de pensar a prevenção do uso indevido de drogas. In: Sudbrack, M. F. O., Seidl, E. M. F., Costa L. F. (orgs) (2000). Prevenção do uso indevido de Drogas: diga Sim à Vida. Brasília, CEAD/UnB/SENAD- SGI- Presidência da República, v.2, p.23-32.

























Postar um comentário