sábado, 14 de maio de 2011

PROJETO: GESTÃO EM EDUCAÇÃO BÁSICA - INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA


PROJETO: GESTÃO EM EDUCAÇÃO BÁSICA
INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL
“NOVO AMANHECER” – APAE DE NOVA AURORA






1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO
           

                        O Projeto será realizado na Escola de Educação Especial “Novo Amanhecer” – APAE de Nova Aurora. Este é um trabalho idealizado pela Aluna do Curso de Pedagogia I da FAPI, alunas Vera Lúcia Pereira de Souza, como requisito do curso de Pedagogia, da Disciplina de Gestão Integrada em Orientação e Supervisão Educacional. Apresentando como Título: Intervenção Pedagógica na Escola de Educação Especial “Novo Amanhecer”, solicitado pela Profa. Angela Maria de Souza Fabianovicz.



2 APRESENTAÇÃO DO CAMPO DE ESTÁGIO


              As ONGs atualmente procuram de forma permanente ajustamento e adequações entre seus papéis e operações do dia-a-dia, com as reais e essenciais necessidades do meio ambiente interno e/ou externo em que estão introduzidas, por meio de deliberações e atuações de seus gestores.
              A Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais – APAE de Nova Aurora, PR., foi fundada no dia 27/06/91, passando a ser mantenedora da Escola de Educação Especial “Novo Amanhecer”, fundada em 01/03/1992, que pertence a uma rede de, aproximadamente, 1800 escolas filiadas ao Movimento Apaeano espalhadas pelo Brasil, tido como o maior movimento filantrópico do mundo e do Brasil, sob a responsabilidade da Federação Nacional das APAE’s. No Estado do Paraná tem uma Federação e Conselhos Regionais que atuam como articuladores visando garantir a unidade filosófica do movimento Apaeano provendo de significado determinando ações e decisões, modelando à práxis organizacional que norteia a conduta dos membros: direção, equipe técnica, docentes, pais, funcionários e comunidade em geral. A missão é a razão da existência da entidade com organização própria e delimitação das atividades dentro da comunidade, fundamentando-se em três pontos: luta em defesa dos direitos da pessoa com deficiência; apoio à família e atendimento especializado.
              A escola atende atualmente 117 alunos com deficiência intelectual, múltipla deficiências, transtornos globais do desenvolvimento, alunos com diversas síndromes que comprometem o seu desenvolvimento intelectual e físico.
              A mesma atende aos programas de: Educação Infantil – 00 a 03 anos e 04 a 06 anos, Ensino Fundamental de 07 a 16 anos e Educação Profissional acima de 16 anos, nas seguintes Oficinas: jardinagem e horticultura, reciclagem de papel, tecido e madeira, mini-marcenaria, oficina de culinária e oficina de bordados e crochê.
              Este diagnóstico organizacional permite as estagiárias averiguarem a organização como um todo e como se comporta a partir de seu planejamento estratégico, para que seja feito a avaliação das áreas de melhoramento, procurando-se deste modo identificar nitidamente a real condição da Escola Especial.
              O trabalho contextualiza o projeto global da ONG que cobre todas as áreas e a imagem interna da organização da Escola Especial, averiguando deste modo o compromisso dos funcionários, professores, profissionais da saúde e alunos com a instituição em prol das finalidades comuns, o que é essencial para que se faça um planejamento que se identifique as precisões.
              O Projeto terá como foco os questionamentos relacionados às funções do gestor coordenação pedagógicos. Assim pretende-se trabalhar buscando dados relacionados ao trabalho do coordenador pedagógico, com intuito de caracterizar os problemas existentes e possíveis intervenções pedagógicas. Nesse projeto serão abordadas questões referentes à interação entre pedagogo (gestor), coordenadores, professores, alunos e situações da Escola Especial.


3 JUSTIFICATIVA


              O presente Projeto de Estágio tem como grande valor a relação estabelecida entre as alunas estagiárias e a coordenação, professores, funcionários, instrutor e alunos da Escola de Educação Especial “Novo Amanhecer”, como forma de contextualização do espaço de estágio. 
              As alunas têm a oportunidade de experienciar à organização pedagógica de uma Escola Especial, igualmente como a função do pedagogo como gestor (e, portanto, administrador) e suas atuações: conduzindo, acompanhando, supervisionando e compartilhando de todas as atividades dentro da Escola Especial.
              A partir de uma pesquisa e análise da Proposta Pedagógica e dos dados obtidos por meio de leituras dos documentos pedagógicos da Escola Especial, as alunas estagiárias farão um mapeamento das ações relacionadas à gestão, articulando os sujeitos e as relações envolvidas no processo de gestão. Nesse argumento, há possibilidade de interferências positivas, em relação às ações pedagógicas que acontecem no espaço da Escola Especial.
              Desta forma, além das trocas de experiências e conhecimentos, as alunas poderão esquematizar atuações associadas com a coordenadora, direção, professores, instrutor da Escola Especial, visando melhoramentos nos processos de gestão.
              O projeto servirá como forma de avaliação e feedback para a Escola Especial e seus funcionários, como ao mesmo tempo enriquecerá as experiências de formação em gestão das futuras pedagogas.


4 OBJETIVOS DO PROJETO


              - Observar o cotidiano do coordenador e professores da Escola de Educação Especial “Novo Amanhecer”;
              - Averiguar o desempenho do coordenador junto aos professores, por meio de observações;
              - Levantar informações para prováveis interferências entre coordenador e os professores da Escola Especial, e quais as dificuldades localizadas;
              - Avaliar as informações observadas na pesquisa.


5 REFLEXÕES TEÓRICAS


               Apresenta-se nesse projeto de pesquisa qualitativa realizado pelas alunas Vera Lúcia Pereira de Souza, Janaina Ravasoli e Célia Ricardina Grama Trevisoli, do curso de Pedagogia da Faculdade de Pinhais – FAPI, com o objetivo de observar, investigar, pesquisar, levantar, verificar e analisar os dados coletados, procurando melhorias para a Escola de Educação Especial “Novo Amanhecer”. Avigorando a idéia, compete a contribuição de Mazzotti e Gewandsznader, quando asseguram que:
(...) a principal característica das pesquisas qualitativas é o fato de que estas seguem tradição compreensiva ou interpretativa. Isto significa que essas pesquisas partem do pressuposto de que as pessoas agem em função de suas crenças, percepções, sentimentos e valores e que seu comportamento tem sempre um sentido, um significado que não se dá a conhecer de imediato, precisando ser desvelado. Dessa posição decorrem as três características essenciais aos estudos qualitativos: visão holística, abordagem indutiva e investigação naturalística. (2002, p. 131).


              Nesta pesquisa optou-se pela abordagem qualitativa na modalidade de pesquisa participativa. Essa opção encontra justificativa na proposta de Ludke e André (1986), que propõem as seguintes características: “A pesquisa qualitativa tem o ambiente natural como sua forma direta e o pesquisador como seu principal instrumento”. (1986, p.11). Logo, esta pesquisa atende a essa orientação e se propõem a levantar dados por meio de atividades junto ao coordenador pedagógico e os professores da Escola de Educação Especial “Novo Amanhecer”. “Os dados coletados são predominantemente descritivos”. (p1986, p. 12).
              Todas as informações observadas e analisadas são importantes, e por essa razão essa pesquisa estará atenta aos detalhes que possam revelar essas informações das contribuições dos participantes da pesquisa, logo, “a preocupação com o processo é muito maior do que com o produto”. (1986, p.11).
              Nesta pesquisa procura-se obter as informações no contato direto das pesquisadoras com os investigados e analisados, analisando o posicionamento dos participantes no que se refere ao tema.
              Dentro da Escola Especial serão levantadas sugestões para melhoria do funcionamento da mesma. O instrumento considera a existência de uma relação dinâmica entre mundo real e sujeito.



6 AÇÕES A SEREM DESENVOLVIDAS NO PROJETO


               Para alcançar os objetivos do Projeto, pretende-se pontuar a atuação do coordenador pedagógico nas seguintes atividades de estágio:
            - Acompanhar horários de entrada e saída dos períodos de aula e também os intervalos (recreio);
            - Acompanhar reuniões administrativas e pedagógicas realizadas pela Direção da Escola estagiada;
            - Conhecer e auxiliar nas rotinas administrativas junto à Secretaria da Escola;
            - Analisar o projeto político pedagógico da escola;
            - Analisar planos de ensino elaborados pelos docentes da escola;
            - Auxiliar nas demais atividades em que for solicitado pela Direção da Escola Especial “Novo Amanhecer”;
            - Pesquisar a relação escola-comunidade;
            - Pesquisar e intervir junto às práticas de formação contínuas desenvolvidas junto aos professores pela Direção da escola;
            - Refletir sobre a gestão democrática participativa na tensão entre o proposto e o vivido no interior das escolas de educação básica brasileiras.
              Acredita-se que desta forma será possível identificar a coerência ou dicotomia entre a realidade do coordenador pedagógico e professores e as declarações dadas nas conversas informais.



7 ESTRUTURA PROGRAMÁTICA


Período de realização: abril a maio de 2011.
Horário: matutino.
Local de Realização: Escola de Educação Especial “Novo Amanhecer”, Avenida Gonçalves Dias, 354 – CEP.: 85.410-000 – Nova Aurora – Paraná.
Carga Horária: 60 horas, conforme Ficha de Atividades – Estágio Supervisionado


8 PROCEDIMENTOS E RECURSOS DIDÁTICOS


              Procedimentos:
              - Acompanhamentos – durante o período matutino e vespertino – do coordenador pedagógico da Escola de Educação Especial “Novo Amanhecer”;
              - Conversas informais, com nas analises observadas pelo grupo de estágio;
              - Registro escrito dos dados observados;
              - Analise coletiva das informações levantadas;
              - Apresentar propostas para a melhoria / solução dos problemas observados.
              Recursos Didáticos:
              - Livros relacionados à pesquisa;
              - Projeto Político Pedagógico da Escola de Educação Especial “Novo Amanhecer”;
              - Regimento Interno da Escola de Educação Especial “Novo Amanhecer”;
              - Computadores;
              - Materiais para anotações.


9 SISTEMA DE AVALIAÇÃO


              O Projeto será considerado satisfatório se os pesquisados desenvolveram o instrumento de pesquisa em tempo hábil, se os dados coletados atingiram os objetivos propostos do Projeto, se a pesquisa realizada contribuiu para melhorias na Escola de Educação Especial “Novo Amanhecer”.


10 REFERÊNCIAS

ESCOLA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL “NOVO AMANHECER”. Regimento Interno. Nova Aurora, 2009.

ESCOLA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL “NOVO AMANHECER”. Projeto Político Pedagógico. Nova Aurora, 2009.

LUDKE, Menga & ANDRÉ, Marli. E. D. A. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MAZZOTTI, Judith Alda Alves & GEWANDSZNAJDER, Fernando. O método nas Ciências Naturais e Sociais. 2ª Ed. São Paulo: Thomson, 2002.

MEIER, Marcos & GARCIA, Sandra.  Mediação na Aprendizagem: contribuições de Feuerstein e de Vygotsky. Curitiba: Edição do Autor, 2007.