domingo, 30 de março de 2014

ALGUNS SIGNIFICADOS QUE FAZEM DIFERENÇA EM NOSSAS VIDAS

ALGUNS SIGNIFICADOS QUE FAZEM DIFERENÇA EM NOSSAS VIDAS
SOUZA, Vera Lúcia Pereira de.



RAÇA


RACISMO

ETNIA

ETNOCENTRISMO
Raça[1] é um conceito para categorizar diversas populações de uma mesma espécie biológica desde suas características físicas; é comum falar-se das raças de cães ou de outros animais.
Raça humana  é normalmente uma classificação de ordem social, onde a cor da pele e ascendência social ganham sentidos, valores e significados marcados. As diferenças mais comuns referem-se à cor de pele, tipo de cabelo, conformação facial e cranial, ancestralidade e, em algumas culturas, hereditariedade. Algumas vezes usa-se o termo raça para identificar um grupo cultural ou étnico-linguístico, sem quaisquer relações com um modelo biológico, e nessas ocorrências pode-se empregar termos como população, etnia, ou mesmo cultura.
Então, raça é o conceito que deu embasamento para o racismo científico. Destaque no fenótipo[2].  
Racismo[3] é uma maneira de discriminar as pessoas, fundamentada em causas raciais, cor da pele ou outras características físicas, de tal forma que umas se consideram superiores a outras. Assim, o racismo tem como fim propositado (ou como resultado) a diminuição ou a invalidação dos direitos humanos das pessoas discriminadas. Exemplo disto foi à aparição do racismo na Europa, no século XIX, para explicar a dominação da raça branca sobre o resto da humanidade.
Assim, racismos é a convicção de que uma raça é superior à outra.
Etnia[4] é uma comunidade humana definida por semelhanças linguísticas e culturais. A palavra etnia é procedida do grego ethnos[5], que significa povo.
A diferença entre raça e etnia, é que etnia também abrange os fatores culturais, como a nacionalidade, crença, língua e os conhecimentos, enquanto raça abrange somente os fatores morfológicos, como cor de pele, constituição física, altura, assim por diante. A palavra etnia muitas vezes é empregada erroneamente como um eufemismo para raça.
Logo, etnia é a distinção dos grupos humanos, abrangendo partilha comum de cultura, crença, língua, dentre outros elementos.
Etnocentrismo[6] é a atitude característica de quem só admite legalidade e validade às regras e valores vigentes na sua cultura ou sociedade, ou seja, tem a sua procedência na tendência de avaliarmos as realizações culturais de outros povos a partir dos nossos próprios padrões culturais, afirmando os valores da sociedade a que pertencemos como valores universalizáveis, aplicáveis a todos os homens, isto é, dada a sua "superioridade", devem ser adotados por todas as outras sociedades e culturas.
O Etnocentrismo é uma visão do mundo onde o nosso próprio grupo é tomado como núcleo de tudo e todos os outros são pensados e sentidos por meio dos nossos valores, nossos modelos, nossas significações do que é a existência, pelo que todas as outras sociedades são avaliadas rebaixadas à nossas, logo, esta atitude é preconceituosa.
Enfim, etnocentrismo é a ideia de que um determinado conjunto cultural é superior a outro.


ETNIA E IDENTIDADE CULTURAL


           O conceito de raça implica o conhecimento de algo definitivo e biológico, sendo fundamentado nas propriedades biologicamente fundamentadas, o conceito de etnicidade não pressupõe nada congênito, trata-se de um acontecimento meramente social, produzido e reproduzido ao longo do tempo, aonde por meio da socialização o indivíduo assimila os modos de vida, regras e crenças de suas comunidades. Observa-se que a etnicidade pode ser central para a identificação do indivíduo e do grupo oferecendo uma linha de continuação com o passado, alimentada viva por meio das práticas das tradições culturais, não sendo estática nem durável, mas alterável e adaptável.


Nesse sentido, o sentimento de pertencimento a uma etnia pode ser expresso pela palavra etnicidade. As crenças em uma identidade comum, especialmente por parte dos grupos sociais que foram historicamente subordinados aos imperialismos universalistas (romano, europeu, norte-americano, etc.), fomentaram lutas e resistências de povos vizinhos que, antes mesmo da chegada dos dominadores, se relacionavam como fronteiriços e adversários pelo aproveitamento das ecologias locais. Essa identidade étnica, a etnicidade, se mostra sempre em movimento e motivada por sentimentos e afetividades em torno das sociabilidades cotidianas: nós e eles, que são, à primeira vista, denominações de identificação difusa, definem exatamente as nossas experiências e as nossas imaginações sobre as experiências que não são nossas e que, por isso mesmo, estranhas a nós, são dos outros. (FLORES, 2008, p. 25).


            Frente a estas considerações, percebe-se que a identidade cultural, por fim, pode ser entendida como um processo de incorporação de conhecimentos e da cultura do local onde se vive. A raça, por sua vez, é algo definitivo e biológico. A etnicidade, com um significado puramente social, refere-se às práticas e às visões culturais de determinada comunidade de pessoas e que as distingue das outras como a língua, história ou linhagem, religião, estilos de roupas, adornos e hábitos.


A lei maior que rege o país, a Constituição da República Federativa do Brasil, de 05 de outubro de 1988, em que pese as suas várias emendas, é um excelente instrumento para iniciar reflexões, realizar atividades pedagógicas ou propor ações afirmativas nos assuntos relativos às identidades étnicas. (FLORES, 2008, p. 25).



             Desse modo, será possível a crítica à escola excludente e a constituição de atuações verdadeiramente propositivas em nome da justiça social. O conhecimento da humanidade em sua historicidade acende abertura para isso, uma vez que permite aos indivíduos, por exemplo, condições para lutas políticos conscientes e a constituição de identidades em que as relações de etnicidade podem ser consideradas relações de poder e marcadas por formas de resistência.
             Por fim, faz-se necessário um novo engajamento de forças sociais, para que se cumpram as leis em nosso País.


 REFERÊNCIAS


FLORES, Elio Chaves. Nós e eles: etnia, etnicidade, etnocentrismo. Direitos Humanos: capacitação de educadores. João Pessoa: Editora Universitária / UFPB, 2008, v. II.



[2] O fenótipo é o conjunto de características físicas, morfológicas e fisiológicas de um organismo. O fenótipo pode ser alterado frequentemente.
[3] Idem.
[4] Idem.
[5] ETHNOS - pessoas da mesma raça ou nacionalidade que compartilham uma cultura distinta. Disponível em: <http://www.thefreedictionary.com/ethnos>.
Postar um comentário