domingo, 30 de março de 2014

MULHERES NEGRAS DE DESTAQUE NO BRASIL

MULHERES NEGRAS DE DESTAQUE NO BRASIL
SOUZA, Vera Lúcia Pereira de.
ISABEL FILLARDIS

Fonte: http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/d/d4/Isabel_Fillardis_by_Carnaval_2012.jpg/220px-Isabel_Fillardis_by_Carnaval_2012.jpg 
              Isabel Fillardis é referência no quesito trabalho social, defendendo as pessoas que precisam de cuidados especiais por meio da campanha “A Força do Bem”[1] (ela mesma é mãe de uma criança com deficiência). Além disso, de sua apreensão com o meio ambiente nasceu a ONG “Doe Seu Lixo”[2], que ajuda na coleta seletiva revertendo lixo em fundos para as temas socioambientais.
              Vídeo: Isabel Fillardis relembra o sucesso e enaltece a importância da família. Duração: 3’17”. Disponível em: <http://globotv.globo.com/canal-brasil/espelho/v/isabel-fillardis-relembra-o-sucesso-e-enaltece-a-importancia-da-familia/2713188/>.

CHIQUINHA GONZAGA



                   A compositora distinguiu época por sua atitude forte ante de uma sociedade machista e preconceituosa em relação à mulher e, em especial a mulher negra. Chiquinha - Francisca Edwiges Gonzaga do Amaral[3] foi a primeira pianista de choro brasileira e autora da primeira marchinha carnavalesca (Ô Abre Alas, de 1899). Quer mais? Foi também a primeira mulher a conduzir uma orquestra no Brasil.
              Maior personalidade feminina da história da música popular brasileira e uma das expressões maiores da luta pelas liberdades no país, Chiquinha introduziu a música popular nos salões elegantes e, em setembro de 1917, após anos de campanha, conduziu a fundação da SBAT[4], sociedade pioneira na arrecadação e proteção dos direitos autorais.  

              Vídeo: Acervo Digital Chiquinha Gonzaga, Jornal Nacional. Duração: 3’57”. Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?v=dssOOWyRWQQ>.



RUTH DE SOUZA



Fonte: http://www.funarte.gov.br/brasilmemoriadasartes/arquivos/2010/05/atoresdobrasil-1946-ruthdesouza-216x280.jpg 
             
              Ruth Pinto de Souza – Ruth de Souza - nasceu no Rio de Janeiro em 12 de maio de 1921. Na década de 40, foi co-fundadora do Teatro Experimental do Negro (TEN) - uma nova forma de dramaturgia que auxiliou na valorização e na descoberta de muitos artistas negros. Aos 87 anos, Ruth tem extensa experiência na TV, cinema e teatro e é considerada uma das grandes damas da dramaturgia brasileira.
              Nas telas o nome de Ruth de Souza[5] aparece em mais de trinta filmes. E foi por meio do cinema que viveu um fato desconhecido pela maioria das pessoas e abandonado por aqueles que poderiam propagá-lo. No festival de Cinema de Veneza, em 1.954, Ruth foi recomendada para o prêmio de melhor atriz por seu desempenho em “Sinhá Moça”. Suas concorrentes eram as estelares Katherine Hepburn, Michele Morgan e Lili Palmer. Por dois votos perdeu para Lili Palmer, ficando à frente das duas outras consagradas atrizes.
              Naturalmente, depois esse honrado segundo lugar, Ruth passou a ostentar o mesmo quilate de suas companheiras. Menos no Brasil.
              Vídeo: Saiba por onde anda a atriz Ruth de Souza. Duração: 07’03”. Disponível em: <http://globotv.globo.com/rede-globo/video-show/v/saiba-por-onde-anda-a-atriz-ruth-de-souza/2288749/>.

GLORIA MARIA



              Gloria Maria, não foi à primeira, mas, sem dúvida, a mais importante e reverenciada jornalista da TV brasileira até o momento. Sua notoriedade superou os limites da profissão - com muitas reportagens especiais e viagens exóticas à frente dos mais importantes telejornais da Rede Globo -, e atualmente tem status de celebridade.
              Apesar do prazer que suas reportagens proporcionam Gloria Maria nunca deixou de assumir matérias mais complexas, de cunho social. Debruçou-se sobre temas como a vida de imigrantes brasileiros no Japão, a invasão da embaixada japonesa no Peru por terroristas tupamaros e, depois de passar pela Olimpíada de Atlanta (1996) e Copa do Mundo na França (1998), assumiu ao lado do reporter Pedro Bial a apresentação do “Fantástico”. Em 2003 conduziu, com o colega de trabalho, a primeira entrevista exclusiva com o presidente Luís Inácio Lula da Silva para a televisão após sua posse. Não contentada, ainda produziu quadros de destaque como a viagem ao lado do escritor Paulo Coelho pelos trilhos da transiberiana, em 2006, e o voo que simula a gravidade zero no Centro Espacial Kennedy, nos EUA, no ano seguinte.
            Vídeo: Glória Maria fala sobre os desafios da profissão. Duração: 5’11”. Disponível em: <http://canalviva.globo.com/programas/viva-o-sucesso/materias/gloria-maria-fala-sobre-os-desafios-da-profissao.html>.


LUISLINDA VALOIS



              Em sessão ordinária, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu, por unanimidade, a nomeação da juíza baiana Luislinda Valois para o cargo de desembargadora do Tribunal de Justiça da Bahia. O CNJ levou em conta o critério de antiguidade no cargo. Luislinda, negra e de origem pobre, é a primeira juíza negra do Brasil.
              “É o reconhecimento da luta de uma mulher negra, rastafári, que conseguiu sair vitoriosa desse processo”, afirmou ela.
              A Juíza Luislinda Valois ocupava o cargo de desembargadora substituta no Tribunal de Justiça desde agosto de 2010. Com a proximidade da aposentadoria obrigatória, a nomeação poderia não acontecer. O movimento negro baiano se mobilizou pela nomeação de Luislinda e comemorou a decisão do CNJ.
              A Juíza Luislinda Valois foi à primeira juíza negra a pronunciar uma sentença contra o racismo no país. Age no Tribunal de Justiça de Salvador desde 1993, e trabalhou na reativação de vários juizados especiais no estado da Bahia.
              “O fato de ser a primeira juíza negra do Brasil só me dá responsabilidade. Até hoje só temos dois ministros negros nos tribunais superiores. Por que isso? A inteligência não é privacidade de nenhuma raça. Até porque só existe uma raça, a humana. Ser juíza não é difícil. É só ter bom senso, estudar de manhã, meio-dia, de tarde e de noite e gostar de lidar com gente. Não pode pensar que, só porque o cidadão é marginal, ele já merece estar enclausurado. Primeiro se vai ver por que aquele sujeito virou marginal. A sociedade é quem escolhe quem vai delinquir. E te digo mais: nesse momento, a sociedade escolheu que é o negro, pobre, jovem, da periferia. Na hora que se tem de condenar, se não tiver a quem condenar, se condena o negro, mesmo que ele ainda esteja no ventre da mãe”. Luislinda Valois.

              Vídeo: Mulheres: Conquistas & Dilemas - Luislinda Valois. Duração: 11’05”. Disponível em:

<http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=SXoT5aVF1XI#at=11>.


 SITES PESQUISADOS

RAÇA BRASIL. 10 Mulheres Negras de Destaque. Disponível em: <http://racabrasil.uol.com.br/cultura-gente/130/artigo127789-1.asp>.

LUIZ NASSIF ONLINE. Primeira juíza negra do Brasil será nomeada desembargadora. Disponível em:

 <http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/primeira-juiza-negra-do-brasil-sera-nomeada-desembargadora>.


Postar um comentário